Compartilhe este artigo:

A indústria 4.0, também conhecida como 4.ª Revolução Industrial, vem revolucionando os conceitos de chão de fábrica.

Muito mais do que uma opção para determinados processos industriais, o conceito tem por princípios básicos uma mudança estrutural nos ambientes fabris e toda a cadeia associada.

Essas mudanças são caracterizadas pela implantação de tecnologias até então pouco utilizadas nesse tipo de ambiente.

Nesse post, vamos apresentar a relação da indústria 4.0 com as tecnologias disruptivas. Continue lendo e conheça mais a respeito!

O que são tecnologias disruptivas?

Tecnologias disruptivas são aquelas que rompem com conceitos, padrões e modelos já estabelecidos no mercado.

São as tecnologias inovadoras que causam grande impacto no mercado, modificando rotinas e estabelecendo novos formatos de se realizar algum processo.

Algumas dessas tecnologias foram adotadas pela indústria 4.0 e aplicadas nos mais modernos conceitos de comunicação e interatividade entre máquina e homem.

22

Exemplos de tecnologias disruptivas

Muitos produtos e inovações mudaram completamente o perfil e o comportamento humano na história e dentre eles podemos citar algumas tecnologias disruptivas conhecidas, como:

  • Fotografia digital;
  • Microcomputadores;
  • Notebooks, que vem gradativamente substituindo os microcomputadores;
  • Telefonia celular, que substitui com vantagens a telefonia fixa;
  • Plástico, que passou a ser opção em substituição à madeira, metal e vidro;
  • Mídia digital, que tomou o lugar dos CDs e DVDs.

São muitas tecnologias desenvolvidas e que romperam com conceitos e produtos que haviam sido adotados pela sociedade.

Na indústria a situação não é diferente com a implantação do modelo 4.0, uma vez que tecnologias disruptivas fazem parte da solução.

Apresentamos alguns exemplos:

IA – Inteligência Artificial

Ligada à ciência da computação, a Inteligência Artificial tem como proposta a simulação da capacidade humana de perceber, raciocinar, tomar decisões e resolver problemas.

É uma tecnologia que possibilita a implantação das fábricas inteligentes, autônomas e que se moldam às necessidades e exigências sem a interferência humana de forma direta.

Machine Learning

Pode parecer ficção científica, mas outra opção que faz parte das tecnologias disruptivas é o machine learning.

Ou seja, a capacidade que uma máquina tem de aprender a partir das ações e experiências que ela mesma sofre, com mudanças no seu comportamento e de maneira automática.

Essa tecnologia abre um leque de possibilidade para as máquinas aprenderem as variáveis ideais para rodar com a melhor performance e realizarem ajustes para cumprir esse objetivo.

IIot – Internet Industrial de Coisas

A IIot prevê máquinas conectadas à internet que informam seus processos através de dados e que são analisados e transformados em informações a partir de plataformas de análises.

A queda gradual no custo de sensores, preço de alocação de dados em nuvem e aumento da disponibilidade de gateways tem viabilizado as iniciativas de IIoT. A tecnologia da maioria dos dispositivos não é disruptiva, porém o seu uso combinado com outras tecnologias viabiliza soluções que antes eram inviáveis por condições técnicas e de custo.

33

Robótica

Os robôs chegaram e já fazem parte das plantas industriais, onde tarefas pesadas e repetitivas são destinadas a equipamentos mecânicos controlados por circuitos elétricos de forma automática.

Modernos sistemas de automação fazem parte da indústria 4.0 e a robótica é, sem dúvida, uma das ferramentas que mais chama a atenção, por sua produtividade, diminuição de custos e qualidade nos trabalhos realizados.

Todas essas tecnologias apresentadas estão diretamente ligadas à indústria 4.0 e a implantação dessas soluções definirão o futuro de nossas fábricas no Brasil e no mundo.

A competição é acirrada e o mercado é global, exigindo das indústrias a modernização dos processos e a automação.

Novos conceitos precisam ser incorporados e a migração para a utilização das tecnologias disruptivas é muito mais do que um desejo, é, na realidade, uma necessidade e exigência do mercado.

Entende-se que as fábricas não substituirão suas linhas de produção e começarão do zero para usar essas tecnologias. O desafio é a adaptação, identificar nesse ecossistema o que é aderente e faz sentido para o estágio do negócio naquele momento.

Agora que você já percebeu algumas das tecnologias na indústria 4.0, que tal ler os pilares da inovação disruptiva segundo o Programa Indústria 2027?

(Imagens: divulgação)