Compartilhe este artigo:

A quarta revolução industrial, também conhecida por indústria 4.0, busca dados e informações em todas as atividades relacionadas ao chão de fábrica que contribuam nas análises e definições de correções e melhores práticas no processo produtivo.

O Big Data é uma ferramenta fundamental para a indústria 4.0 e relaciona-se diretamente no sucesso da coleta e análise de grandes quantidades de dados.

Nessa perspectiva, vamos apresentar, nesse post, o Big Data e a sua importância para a quarta revolução industrial, continue lendo!

O que é Big Data?

Como o próprio nome diz, Big Data é o conjunto de dados em grandes quantidades.

Devido ao seu volume, eles não podem ser analisados e processados pelas vias convencionais da área da tecnologia da informação.

Portanto, não estamos nos referindo apenas aos dados gerados pelas aplicações e sistemas administrativos e financeiros de uma empresa. No contexto industrial, o Big Data envolve muito mais do isso, uma vez que a transmissão de dados de um equipamento na fábrica, gera milhares de informações por minuto, que merecem uma avaliação aprofundada para a otimização de processos.

Os 3 Vs do Big Data

os-3-vs-do-big-data

O conceito de Big Data é articulado em 3 Vs que são: volume, velocidade e variedade.

Diz-se que existe um problema de Big Data quando alguma dessas 3 condições precisam ser trabalhadas para se obter a informação.

Vamos analisá-las individualmente.

Volume

Uma quantidade gigantesca de dados capturados e transmitidos por equipamentos industriais é um exemplo que pode causar um problema de Big Data.

Equipamentos com alta tecnologia embarcada e conectividade são capazes de monitorar todos os processos industriais e vencer o desafio de compatibilidade e obsolescência, informando ao gestor da área produtiva dados que possam mostrar os resultados, problemas, falhas e todo tipo de ocorrência durante determinado tempo.

Mas, de nada adianta obter dados com históricos de produção, se os mesmos não tiverem condições de serem analisados e transformados em informações que possam colaborar com a gestão do ambiente produtivo.

A etapa da seleção das variáveis a serem armazenadas é uma fase importante a ser executada. Nem todas as variáveis precisam ser armazenadas e a frequência de coleta também depende do contexto e uso dessa variável ou combinação delas. Entende-se que incialmente é difícil segregar e determinar a frequência de coleta, mas ao longo do tempo a identificação do valor que cada variável ou correlação entre elas pode trazer valiosas informações para inferir nos processos.

Velocidade

A velocidade na captura dos dados, bem como no processamento e análise das informações, é de fundamental importância para a indústria 4.0.

O processamento dos dados de forma quase que instantânea permite que, através das informações geradas, as decisões sejam tomadas de forma assertiva, evitando problemas e melhorando resultados. Mas nem sempre a alta velocidade de coleta e atuação são necessárias para se obter os resultados desejados. Mais uma vez, o contexto e aplicação do dado coletado, quem e quando a informação gerada será utilizada são fatores que determinarão a velocidade de coleta das variáveis desejadas.

Variedade

O Big Data é fundamental quando as capturas dos dados se dão nos mais diversos formatos disponíveis.

É importante lembrar que dados são obtidos através de diversas fontes e chegam nas mais diversas configurações.

A realidade que temos no chão de fábrica é de grande heterogeneidade: diversos fabricantes, protocolos diferentes, sistemas isolados. A convergência para um único ponto de armazenamento exige grande energia na fase de conectividade e forma de coleta dessas variáveis. A busca de uma estratégia consistente e a seleção certa da forma de coleta

Transformando dados em informações na indústria

Transformando-dados-em-informacoes-na-industria

A indústria 4.0 tem por objetivo viabilizar fábricas inteligentes e seu conceito baseia-se na conectividade ampla e em grandes massas de dados.

E é exatamente aí que entra o papel do Big Data, transformando os dados gerados por equipamentos e máquinas modernas e conectadas a redes em informações que retroalimentam a própria fábrica e corrigem possíveis problemas de forma automatizada.

A indústria 4.0 e os conceitos de Big Data começam a se tornar realidade nas indústrias do mundo e em cerca de 1,6% das indústrias brasileiras de acordo com a CNI já são realidade.

É importante conhecer mais a respeito, e fica nossa sugestão para acessar nosso post sobre IIoT e conhecer as etapas que fazem parte da indústria 4.0 e que alimentam o Big Data.

(Imagens: divulgação)